8 Dicas sobre Como Montar uma Loja Virtual em 2022!

8 maneiras de montar uma loja virtual

Como criar uma loja virtual em 2022? Quais são as ferramentas que precisamos ter em mãos para conseguir realizar a criação de um ecommerce? Quais são as plataformas mais recomendadas para quem deseja ter uma loja online? Vale a pena trabalhar com ecommerce ou é mais vantajoso vender presencialmente?

Os métodos para ganhar dinheiro com a internet são os mais variados possíveis. Entre todos estes, existem as lojas virtuais, que sempre tiveram um espaço significativo entre os meios mais famosos de se trabalhar online. A primeira grande loja virtual surgiu ainda no ano de 1994, quando os computadores pessoais eram apenas um sonho na vida do brasileiro médio: a Amazon surgia vendendo livros na web.

Com o tempo, o mercado de ecommerces cresceu exponencialmente, e nos dias atuais qualquer pessoa pode ter um site na internet que funcione como um ecommerce: vendendo sem loja física, entregando para todo o Brasil e até mesmo importando produtos, vendendo sem estoque, como é o caso do dropshipping.

No conteúdo de hoje, vamos explicar a você um pouco mais sobre o passo a passo de como criar uma loja virtual em 2022, para que possa colocar em prática e ver seus resultados acontecerem a medida que o tempo passa e sua loja cresce. Portanto, se está pensando em ganhar dinheiro com a internet por meio de uma loja online, acompanhe-nos nessa leitura até o final. Vamos lá!

O que é uma Loja Virtual?

Afinal, o que é de fato uma loja virtual, ou um site de ecommerce? Do que se trata o tema principal de nosso conteúdo de hoje? Ecommerce é um termo em inglês usado como abreviação para “electronic commerce”, ou, em português, comércio eletrônico. Então, em um resumo bem simples, trata-se de uma loja que funciona de forma totalmente online.

Pelo menos essa era a visão do passado, ou seja, dos ecommerces criados no início dos anos 90 e 2000. Atualmente, lojas físicas que possuem uma extensão online também são consideradas ecommerces. É comum que lojas virtuais antigas levem o “e” antes do nome, como um dos maiores já conhecidos: o eBay.

Portanto, um ecommerce nada mais é do que um local na internet que vende produtos. Esses produtos podem ser tanto físicos quanto digitais, os famosos infoprodutos. Apesar disso, a grande maioria dos comércios eletrônicos vendem produtos físicos, sejam estes com ou sem estoque (modalidade de dropshipping).

Qualquer pessoa pode ter um ecommerce se quiser, desde que siga nosso guia de como criar uma loja virtual em 2022. Vale ressaltar que este é um guia geral, em que vamos lhe explicar cada item de forma detalhada, mas vai de você buscar maiores informações do assunto para se especializar em sua área.

O que é um infoproduto?

Somente para contextualizar o que citamos anteriormente, é interessante lhe contarmos sobre o que é um infoproduto. São muitas as plataformas que estão vendendo infoprodutos como maneira de afiliação, e, consequentemente, crescem as lojas virtuais com esse tipo de produto disponível.

Um infoproduto nada mais é do que um produto digital, por isso leva esse nome. Podem ser e-books (livros digitais), cursos completos, livro de receitas, entre várias outras opções. Ao que tudo indica, o futuro será regido por esses infoprodutos, que vão ganhando cada vez mais espaço no mercado de ecommerces.

Geralmente, os infoprodutos são encontrados para venda como afiliação em blogs contextualizados. Assim, uma pessoa que tem um site de receitas, pode colocar um e-book de receitas para o Natal com um link de afiliação em alguma de suas páginas, e a cada venda realizada, recebe uma comissão definida pelo autor na plataforma de afiliados (Eduzz, Hotmart, etc.).

Para quem deseja ganhar dinheiro sem gastar com logística física, é uma ótima opção. É melhor até mesmo do que o dropshipping (modalidade de venda sem estoque), pois não envolve nenhum tipo de venda com compra de fornecedor, já que a venda no infoproduto é realizada de forma automática via e-mail assim que o pagamento é confirmado.

8 maneiras de montar uma loja virtual
fonte da imagem, https://pixabay.com/pt/illustrations/e-comercio-consumo-internet-1670514/

Como criar uma loja virtual em 2022?

E então, como montar uma loja virtual em 2022? Qual o passo a passo que qualquer pessoa pode seguir para ter uma loja virtual? Como mencionado desde o início do conteúdo, nos dias atuais qualquer pessoa pode criar uma loja digital. Trata-se de um procedimento que demanda determinado tempo, mas que pode ser totalmente gratuito a depender da plataforma e método que escolher.

Portanto, se você tiver apenas acesso à internet, saiba que já é possível aprender a como criar uma loja virtual e colocar as suas vendas para rodar. Leia nosso guia abaixo e tenha sucesso em suas vendas. Leia:

1. Defina um nicho para a sua loja virtual

O primeiro passo a se tomar é definir o nicho em que você irá atuar. Com nicho, queremos dizer com que tipo de produto você deseja trabalhar: existem nichos como o de beleza, em que se vendem cosméticos e produtos que ajudem na estética de uma pessoa, como o de roupas, em que, obviamente, você vende roupas, e assim por diante.

Escolher um nicho para se trabalhar é o primeiro passo de como criar uma loja virtual. É a partir dessa ideia que você irá seguir para as próximas, já que através do nicho de sua loja virtual, você define pontos como a cor dos seus posts, a cor da sua própria loja, os melhores produtos com custo-benefício interessante, entre outros detalhes.

Através da decisão de nicho, você pode então analisar sua concorrência e descobrir se realmente este é um campo fácil de se aplicar, ou se a concorrência já é muito desleal. Quando você analisa os pontos positivos e negativos dos seus concorrentes, naturalmente pode partir de um projeto com meio caminho andado.

Além disso, quando você analisa a concorrência e percebe que nenhuma das empresas que disputam mercado com você são realmente completas, abrem-se então portas para um futuro incrível financeiramente falando, afinal, você pode fazer um trabalho completo que o colocará no topo.

Micronichos: uma decisão ainda melhor

Vale ressaltar ainda que a escolha por micronichos pode ser muito bem feita, depois da análise realizada. Trata-se de um subnicho, ainda menor do que o escolhido, onde você pode direcionar ainda mais os seus produtos e encontrar, portanto, clientes fiéis e que serão sempre recorrentes em compras.

Podemos então dar um exemplo a partir das roupas: uma simples loja virtual de roupas, onde se vende de tudo do universo feminino, é uma loja online de roupas com nicho feminino. Porém, quando vamos um pouco mais além, podemos atingir um público mais específico: uma loja de roupas femininas para crianças dos 0 aos 6 anos de idade.

Assim, você encontra um público mais fiel, que sempre irá buscar sua loja como referência, já que não é uma simples loja que tem de tudo. O número de lojas de subnicho cresceu substancialmente.

Atualmente, existem até mesmo lojas focadas em um só tipo de produto, como tecnologia > drones > loja virtual de drones pequenos e baratos: resultado em uma loja, muitas vezes, com menos de 10 produtos em seu catálogo. Do ponto de vista estratégico/logístico/financeiro, pode ser uma ótima decisão, pois você gasta menos tempo e dinheiro com uma quantidade muito alta de produtos, aumentando seu financeiro.

2. Faça um planejamento de negócio

Bem, já definimos qual é o nosso nicho, agora, está no momento de definir o planejamento de seu negócio. Um planejamento de negócios é um documento em que você projeta os seus resultados para um período definido, como 6 ou 12 próximos meses. Assim, é possível definir metas e objetivos dentro desse período específico.

Vale ressaltar a importância desse documento para garantir que você irá “se puxar” para bater suas metas e objetivos definidos em papel. Assim, é necessário colocar no papel uma série de informações que servirão como um caminho de qualidade que deve ser seguido, como por exemplo:

  • Resultados para os próximos 3, 6, 9 e 12 meses;
  • Tráfego mensal esperado para sua loja virtual pelos próximos 3, 6, 9 e 12 meses;
  • Valor que será gasto com anúncios nesses mesmos períodos;
  • Como você projeto o ponto da sua empresa daqui um ano;
  • Definir metas e objetivos que auxiliem você a chegar nestes resultados.

A partir desse momento, portanto, será mais fácil você seguir um caminho, já que possui um planejamento bem traçado. Lembre-se de fazer com calma, para inserir informações importantes e detalhadas que podem ser deixadas de lado caso você faça tudo com muita pressa.

Outro ponto importante a se destacar, é um documento de rotina, que pode ser feito a cada domingo, a cada 15 dias ou então a cada mês. Nesse documento, você referencia sua rotina diária, as tarefas que deve realizar, entre outras informações do tipo que criem um cotidiano interessante para sua loja e seu trabalho.

3. Escolha a plataforma para criar a loja virtual

Bem, você já definiu seu nicho e criou seu plano de ação. Agora, está na hora de criar uma loja virtual. O primeiro passo nessa tarefa é escolher a plataforma em que você vai criar seu site. Existem muitos players disponíveis na internet em que é possível usar construtores de sites de vendas, como por exemplo:

  • Shopify;
  • Wix;
  • Squarespace;
  • Zyro;
  • WooCommerce;
  • Webnode
  • Entre outros.

Em geral, as duas plataformas mais usadas nesse tipo são Shopify e WooCommerce. A primeira plataforma é mais intuitiva de ser usada, mais fácil de ser controlada para a criação estética da loja. Porém, em relação a resultados, o WooCommerce sempre será superior, já que sua base de plataforma é o WordPress.

Atualmente, o WordPress é a plataforma mais completa em termos de técnicas de SEO para ranqueamento de páginas em motores de buscas como o Google. Dessa forma, basta instalar o plugin do WooCommerce e configurá-lo para definir os meios e fins de sua loja online de ecommerce.

Para ajudar você nessa tarefa, abaixo deixamos um pequeno trecho de nosso conteúdo principal do site, onde explicamos como criar sites gratis que rodam sob a plataforma do WordPress. Leia:

1. Escolha o seu domínio da loja virtual

O primeiro passo na criação de sites é escolher o domínio com o qual a sua marca, empresa ou somente blog será reconhecido na internet. Escolher um domínio não é um processo fácil, pelo contrário, pode ser mais difícil do que você imagina. É necessário avaliar uma série de fatores para definir o que realmente é válido, e assim definir um domínio que esteja de acordo.

Caso estejamos falando de um site empresarial, então naturalmente o domínio levará o nome da marca, loja ou empresa. Mas, se estivermos falando de um blog pessoal, então este poderá levar o seu nome. Por outro lado, se o domínio é destinado a um blog de nicho, o nome deve estar de acordo com a linha de produção de conteúdo (decoração, games, esportes, tecnologia, automobilismo, etc.).

Como podemos notar, a escolha do domínio pode ser um dos pontos mais importantes quando analisamos o início da criação do site. Porém, quando escolhemos bem, todo o restante segue de acordo, visto que o início já foi feito da forma correta. Continue lendo conosco sobre como criar uma loja virtual.

2. Escolha a sua hospedagem para loja virtual

A hospedagem de sites é o local onde você irá hospedar todo o conteúdo da sua loja virtual, através de armazenamento de dados e rede DNS. Portanto, tudo o que você usar em seu site, em termos de armazenamento, será arquivado e gerido por uma hospedagem de sites, que pode ser nacional ou internacional.

Existem centenas de hospedagens que podem ser escolhidas, sendo que podemos listar como principais:

  • Hostgator;
  • Hostinger;
  • Locaweb;
  • Digital Ocean;
  • GoDaddy;
  • UOL;
  • Entre várias outras.

Além disso, é possível comprar o seu domínio, como mencionado anteriormente, na mesma hospedagem que você irá utilizar como base para seu serviço de armazenamento. Dessa forma, ao criar sites você concentra todas as informações de seu endereço eletrônico em um só local.

Vale ressaltar ainda que existem serviços de armazenamento em nuvem, como o Cloudflare. Neste caso, você compra o domínio de um site em uma hospedagem, mas transfere o serviço de DNS para o sistema Cloudflare, que na grande maioria das vezes oferece uma quantidade maior de armazenamento por um valor bem inferior ao cobrado pelas hospedagens.

Instale o WordPress

Em suma, cada hospedagem possui uma forma de trabalhar com esse tipo de serviço, mas em geral, você deve:

  • Acessar o cPanel da sua hospedagem;
  • Ir até a opção “Softaculous”, onde é possível instalar programas e extensões;
  • Escolher um dos domínios registrados na sua hospedagem;
  • Instalar o WordPress com as configurações padrões ou personalizadas.

Vale ressaltar que essa instalação acontece de imediato, mas o DNS do seu site pode demorar algumas horas até que seja propagado de forma completa, e, portanto, pode apresentar alguma instabilidade principalmente nas 6 primeiras horas de instalação do WordPress.

Configurações adicionais do WordPress

Agora, está na hora de deixar a parte interna do seu site da forma mais redonda possível. Dessa forma, é necessário entrar nas configurações por dentro da sua loja virtual, e alterá-las para deixar a sua navegação diária mais tranquila, ou até mesmo para otimizar o rendimento do seu site em termos de ranqueamento. Neste caso, siga as dicas que deixamos abaixo:

Data e hora

Vá até às “Configurações” e altere os formatos de data e hora que irão aparecer no site, sendo o horário brasileiro “UTC-3”. Assim, quando você quiser programar conteúdos para serem publicados em determinado dia ou hora, estes aparecerão no blog de forma correta, seguindo o horário de Brasília. Continue lendo conosco para maiores detalhes!

Links permanentes

Os links permanentes são as URLs de cada página de seu site. É uma das formas mais importantes de otimização de um site do tipo blog, principalmente aqueles que buscam seguir as regras que o algoritmo do Google solicita.

Por exemplo, se você tem um site chamado “www.melhorcarrodoano.com.br”, e vai publicar um conteúdo sobre “Melhor carro Sedan de 2022”, a forma mais correta de fazer isso é através de um link permanente do estilo “nome-post”.

Neste caso, nada além do nome do post aparecerá na URL, diferente de outros modelos, que inserem o nome da categoria, data em que foi publicado e até mesmo o nome do autor. Nesse exemplo, a URL ficaria assim:

  • www.melhorcarrodoano.com.br/melhor-carro-sedan-de-2022/

Portanto, vá até a seção “Configurações” de seu site, e na seção destinada aos “Links permanentes”, escolha a opção denominada como “nome-post”.

Adicione seus plugins

Agora que já adicionou algumas das principais configurações adicionais do WordPress, é hora de deixá-lo completo. Neste caso, está no momento de adicionar os plugins mais úteis para o seu cotidiano, desde aqueles que tragam maior segurança para a sua página na Web, como Sucuri, Wordfence e Akismet, até aqueles que ajudam na otimização das páginas, como Lazy Load, YoastSEO ou Rank Math.

Vale ressaltar que muitos dos plugins utilizados serão definidos de acordo com o tipo de site que você irá montar. Por exemplo, em sites institucionais, onde a parte visual do site tem grandíssima importância, o plugin Elementor pode ser usado por um Web Designer para organizar blocos, utilizar cores, fontes e outros detalhes.

Por outro lado, se você decidiu criar um ecommerce dentro da plataforma do WordPress, plugins de Gadgets de Pagamentos e até mesmo o próprio WooCommerce podem ser usados para facilitar a utilização do site pelo usuário. Portanto, analise o tipo de site criado e pesquise sobre os plugins mais úteis.

SSL: a instalação da segurança

Como mencionamos no início do conteúdo, as páginas na Web podem rodar de duas formas diferentes: através do protocolo HTTP (que não oferece segurança ao usuário) ou do protocolo HTTPS (que oferece segurança ao usuário). Neste caso, é necessário acessar as configurações de seu servidor para ativá-lo.

É importante lembrar de que criar sites com protocolo HTTPS é de suma importância para seu ranqueamento dentro do Google, portanto, ativá-lo é um ponto obrigatório. Existem opções de SSL pago, porém, não há porque gastar com isso, já que as hospedagens oferecem de forma gratuita e o algoritmo do Google o aceita de forma simples.

Siga o seguinte passo a passo:

  • Vá até o servidor de sua hospedagem;
  • Clique sobre o domínio em que deseja instalar seu SSL (protocolo HTTPS);
  • Escolha pelo botão de ação para a instalação;
  • Aguarde até 48 horas para que o protocolo seja instalado.

Vale ressaltar que nem sempre demora todo esse tempo. Geralmente, cerca de 1 hora depois o domínio já está com o SSL instalado na página principal do site. Mas, não estará nas páginas secundárias, posts e categorias. Dessa forma, é necessário “forçar” a entrada do protocolo HTTPS, através de um plugin conhecido como “Really Simple SSL”.

Vá até a seção de plugins, busque pelo nome que mencionamos, ative-o, escolha suas configurações padronizadas e force a instalação do SSL. Logo após o processo ser finalizado, é possível desinstalar o plugin usado, visto que não possui mais funcionalidade a não ser causar peso em sua hospedagem.

Google Search Console

Agora, como seu site já está todo configurado e pronto para ser usado, é hora de colocá-lo na internet, indexando o seu domínio e todas as páginas secundárias que serão criadas no maior navegador e mais usado em todo o mundo: o Google. Com “indexar” queremos dizer colocar as suas páginas nas pesquisas do Google.

Enquanto seu site não está indexado no Google, somente é possível acessá-lo buscando pelo domínio de forma direta. Mas, quando indexamos a nossa página principal e subsequentes no Google, basta pesquisar pelo nome do site ou por um termo que está ranqueado e a página irá aparecer na “SERP” (Search Engine Results Page), que em português significa “Página de Resultados do Mecanismo de Pesquisa”.

Para colocar seu site indexado no Google, portanto, é necessário registrá-lo no Google Search Console, o GSC, ferramenta usada para tal destino. Para isso, basta fazer o seguinte:7

  • Abra o GSC;
  • Agora, na página principal, escolha “Verificar a propriedade”;
  • Em seguida, opte por “Verificar a propriedade pelo domínio”;
  • Insira o domínio do seu site, a URL da home, sem a opção de HTTPS (ela será forçada posteriormente) e clique em confirmar.

Coloque o código do GSC no servidor

Você já seguiu os passos, então provavelmente apareceu um código diverso na tela de seu computador. Este deverá ser registrado no servidor do seu site, que pode ser a hospedagem onde ele está registrado ou o serviço em nuvem que usa, como exemplo do Cloudflare que citamos anteriormente.

Ao inserir esse código, o seu servidor entrará em conexão direta com o GSC. Dessa forma, sempre que você publicar um conteúdo novo, este já será inserido na fila de indexação, sendo programado para aparecer nas pesquisas de forma direta, sem ter que realizar essa tarefa manualmente. Faça o seguinte:

  • Abra o seu  cPanel;
  • Agora, vá até “Editor de zona DNS” ou algo parecido com isso;
  • Clique em alguma opção denominada como “Adicionar registro” ou algo semelhante;
  • Digite a URL do seu site;
  • Agora, nas configurações laterais altere o “TTL” pra “3600”;
  • Altere o tipo de registro para “TXT”;
  • Cole o código copiado do GSC;
  • Clique em “Salvar” e pronto.

Agora, na próxima vez que você abrir o GSC o seu domínio estará aberto e apontará como instalação completa, ou, caso contrário, irá apontar quais são as configurações faltantes e que precisam de atenção.

Tome bastante cuidado quanto a isso, tentando resolver o mais rápido possível, antes mesmo de inserir uma “penca” de páginas novas no seu site que não serão indexadas de forma imediata e demorarão ainda mais pela fila estar maior do que o comum.

4. Defina se vai trabalhar com ou sem estoque

Já sabemos como criar uma loja virtual e até mesmo a colocar o site no ar por meio da plataforma WordPress acoplada ao plugin WooCommerce. A partir daqui, portanto, precisamos definir se vamos trabalhar com ou sem estoque. Mas, como assim trabalhar sem estoque físico em casa?

Você pode escolher o método de trabalho mais convencional, em que vende seus produtos pelo ecommerce tendo estes em um depósito fora de sua casa, ou até mesmo estocados em algum cômodo de sua residência. Mas, se quiser “inovar”, pode optar por trabalhar com uma nova modalidade que está em alta, o dropshipping. Aqui, você trabalha sem estoque, sem enviar o produto para o seu cliente.

Escolher a forma com que você vai trabalhar nesse ponto específico diz muito sobre seu gasto de tempo e dinheiro, pois possui correlação direta com a logística que sua empresa irá passar. Portanto, logo após criar a loja virtual e definir o seu nicho, escolha o tipo de ecommerce que vai trabalhar: com ou sem estoque.

O que significa “dropshipping”?

Antes de saber como funciona o dropshipping, você precisa compreender o que se trata o termo, ou seja, o que significa “dropshipping”, em inglês. Em suma, dropshipping em inglês se torna uma palavra composta em português, pois quer dizer “remessa direta”. Dessa forma, é um termo usado para especificar vendas sem estoque.

Dropshipping, portanto, significa criar uma loja em que você vende produtos que, na realidade, não estão nem perto de você, pois você não tem um estoque. Apesar de parecer loucura, é uma técnica muito interessante e que tem feito cada vez mais um número maior de milionários ao redor do mundo.

Aqui no Brasil, para se ter uma noção, o mercado de dropshipping ainda é novo. A onda do mercado surgiu em 2019, quando alguns gurus falsos implementaram a ideia na internet através de cursos que ensinavam apenas na criação da loja virtual. Porém, com o tempo esse mesmo pessoal que foi passado para trás acabou se aperfeiçoando.

Assim, criou-se um grupo de profissionais com um número bem baixo, mas que tomaram conta do mercado e fizeram milhões de reais e dólares até o ano passado, em 2021. Atualmente, no entanto, existem cursos bons disponíveis em plataformas digitais de afiliação, como a Hotmart.

5. Defina seus produtos e fornecedores

Agora, defina quais serão os seus produtos e fornecedores. Vale ressaltar que, quando definiu o seu nicho, naturalmente os produtos com os quais vai trabalhar também já foram definidos. Porém, você decide qual linha seguir: você pode ter escolhido linha de roupas femininas de 0 a 6 anos de idade, mas pode escolher uma loja só com bodies, só com bermudas ou só com camisetas.

Então, defina quais serão os seus produtos. Em seguida, defina quais serão os seus fornecedores. Quando falamos em lojas com estoque físico, essa escolha deve ser realizada de forma mais pontual, analisando valores entre concorrência e sobre qual vale mais a pena investir seu dinheiro, incluindo a qualidade do produto.

Mas, quando falamos de dropshipping, ou seja, venda sem estoque, a coisa muda de figura, pois muitas vezes você nem verá o produto de perto. Por isso a recomendação de sempre comprar algumas amostras do produto que deseja vender na sua loja virtual, para comprovação de qualidade e entrega em data.

Neste caso, será necessário escolher fornecedores em plataformas usadas como fornecimento de produtos para dropshipping: AliExpress, Shopee, Alibaba, entre outras. Estamos falando exclusivamente do dropshipping internacional, mas existem outras plataformas que você pode usar como base, até mesmo no mercado nacional, como Mercado Pago e OLX.

6. Selecione o seu gateway de pagamento

É de suma importância que você dê atenção ao seu gateway de pagamento quando estiver pensando sobre como montar uma loja virtual em 2022. Um gateway nada mais é do que a página de checkout de sua loja, ou seja, o local em que seus clientes confirmam os pagamentos dos produtos, seja através de cartão de crédito ou débito, Pix via QR Code ou chave e até mesmo boleto bancário.

Por que o gateway de pagamento importa tanto? Porque muitos dos presentes no mercado não oferecem boa variedade de formas de pagamento, sendo importante ter todas as opções possíveis, como as que já mencionamos. Bons exemplos de gateway são o Mercado Pago e PagSeguro, que possuem até mesmo link de pagamento único.

Além disso, outro ponto a ser analisado nos detalhes do gateway, são as taxas cobradas. Enquanto algumas plataformas possuem taxas fixas, outras possuem taxas variáveis de acordo com seu fluxo de vendas, podendo ser mais vantajoso no início de sua loja, quando você vende pouco e pode ter uma taxa mais baixa do que em serviços fixos.

8. Escolha seu método de atração de clientes

Por fim, escolha o método de atração de seus clientes. Em geral, as lojas de ecommerce funcionam com base em tráfego pago: você cria um anúncio em alguma plataforma como Google ou Face Ads, configura os dados da campanha e vai fazendo testes, até achar a “fórmula perfeita”, entre CPC e quantidade de dinheiro investido diariamente.

Porém, há quem prefira trabalhar com tráfego orgânico. Nesta opção, você utiliza de técnicas de SEO para ranquear as páginas de seus produtos para as primeiras posições dos mecanismos de busca como Google ou Bing. Vale a pena pelo financeiro, pois você não gasta nada através do tráfego orgânico.

Outra vantagem é que, depois de conseguir uma boa posição, basta mantê-la, sem ter que gastar diariamente para deixar seu site onde está. A única desvantagem, neste caso, é o tempo: estratégias de tráfego orgânico demoram a dar mais resultado do que o tráfego pago (campanhas Ads), que costuma ser “instantâneo”.

Esperamos ter ajudado você a compreender sobre como criar uma loja virtual. Caso ainda possua dúvidas sobre o assunto, basta comentar abaixo que vamos ajudar a compreender mais sobre o assunto. Até a próxima!